Maria Carolina

https://www.facebook.com/coletivogritodosilencio
[email protected]

Opinião, a vaca sagrada dos brasileiros!

Voltando a escrever no SB! Tentando não ser convertida a nossa seita dos Adoradores de Opinião!

9/3/2017, 13:56
4 minutos de leitura

Talvez pela impossibilidade de divinizar a vaca, seja porque somos um país cristão ou porque gostamos de churrasco, resolvemos colocar a Opinião num pedestal e venerá-la. É a nossa nova deusa/padroeira/santa/fada madrinha/melhor amiga, agora não se discute mais política, religião, futebol e a Opinião! Justo agora que internet possibilitou que diversas vozes sejam ouvidas.

E graças a isso… Ninguém parece está se entendendo mais… Hahaha!

Não têm obras consagradas, especialistas renomados, artigos científicos, dados, estatísticas, vivências/relatos, conversas didáticas que vençam a máxima “esse a minha opinião!”, essa frase tão simples é um escudo poderoso contra qualquer argumentação! E o pior qualquer contestação é tomada como falta de respeito, como imposição, como motivo para começar uma “guerra”(boba de ego). Oi?

Falta a mim e talvez a você: uma preparação para ouvir/ler o que outro escreve/diz e tentar não tomar como uma afronta pessoal! Bem essa é a minha impressão: as pessoa ficam felizes em conversar com quem tem a mesma opinião (eu também fico, é mais fácil). Momento óbvio. O grande desafio é ouvir uma voz contrária e manter o bom senso, a educação, o respeito. É sair a bolha. Fim do momento óbvio.

O que podemos fazer para reverter esse quadro?
Para começar é aceitar que a opinião não é sagrada, você e eu temos direito a opinião, mas quem pensa ao contrário também tem o mesmo direito. Que nenhuma opinião é imune ao preconceito. Se nós expusermos uma opinião preconceituosa, seremos apoiados e/ou contestado. Isso não é falta de respeito!

É claro que ninguém quer ser lido/visto como preconceituoso. Às vezes as pessoas nem percebem que reproduzem uma opinião repleta de intolerância, ódio e repulsa pelo que é diferente, cresceram ouvido aquilo não é o certo/normal e acreditam que é a verdade! O que fazer?

 Eu não sei. De verdade. Continuo a argumentar até onde consigo! Todos temos nossos limites. Quando percebo que o meu foi ultrapassado, me retiro da conversar. Quando não me retirei, perdi a razão, a dignidade e alguns amigos/conhecidos! O coleguinha não quer ouvir, não insista! Eu sei, é frustante… Mas não insista. Dê um tempo.

Tem um ditado árabe que diz: quem planta tâmara, não colhe tâmara! Isso porque o tamarineiro demora entre 80/100 anos para dar frutos. Temos pressa e queremos resultados agora! E esquecemos que educação é um processo lento, que não temos todos a mesma leitura de mundo (e é bom que não tenhamos), quem nosso “adversário” ideológico talvez precise ouvir de outras bocas, viver, ler para mudar de ideia. E ainda assim há uma grande chance dele nunca mudar de ideia! E talvez nós também precisamos revisar nossos ideais. Quantas vezes não me perguntei depois de uma longa conversar/debate, se o meu oponente não teria razão em alguns pontos?… Muitas.

Não deixe de expor sua opinião, porém entenda que ela será questionada, irão lhe pedir provas e depois desprezá-las, vão rir do seu conhecimento, chacotas serão feitas com seus ideais, dúvidarão das estatísticas… Respira, não pira. Você e eu jogamos uma semente de tâmara! Se vai germinar, dar sombra e frutos… Não está em nossas mãos.

Bem é isso, desculpa se algo não ficou claro! Estou enferrujada…rsrsrsrsrs.

Obrigada, Wesley e equipe SB por abrir esse espaço para mim!!!!

Deixe sua opinião sobre esse texto. Se concorda, se discorda. Sua opinião é importante!

Maria Carolina


[email protected]
https://www.facebook.com/coletivogritodosilencio

Fui militante do Movimento Estudantil, monitora de sociologia e voluntária na biblioteca no Ciep 175 – José Lins do Rego (São João de Meriti). Estou no Coletivo Grito do Silêncio e no Conselho de Cultura de São João de Meriti, porque acredito em mudanças sociais através da Arte e da Cultura. E estarei em sala de aula ensinando História. Sou militante no Movimento Feminismo, meu único ponto não transitório e inegociável!

Mais de Maria Carolina


Leia também

Mais lidas


Na rede do Site da Baixada

Nenhuma matéria encontrada